terça-feira, 29 de novembro de 2011

Biscoito de Araruta

Nos tempos idos, a araruta era uma coisa fácil de encontrar nos armazéns, nas quitandas. Hoje em dia quase não se usa mais. Muita gente não sabe nem o que é ou, nunca ouviu falar.

Mas a araruta é uma planta que dá uma farinha muito fina e delicada e era usada para biscoitos finos. Como não tem entre seus componente o glúten, a farinha de araruta é indicada a quem tem a doença celíaca ou outra intolerância a esse amido.
De fácil digestibilidade a araruta é usada na produção de mingaus, doces, biscoitos e no engrossamento de molhos e cremes
.

Deixo uma receita de biscoito de Araruta, que copiei do caderno da minha avó e que está no livro que dá nome a esse blog: Quitandas de Minas, receitas de família e histórias

Biscoitos de araruta

1 prato de polvilho de araruta bem cheio

1 pires de farinha de trigo
1 xícara de gordura
2 colheres (sopa) de manteiga
Açúcar o quanto adoce (mais ou menos meia xícara)

Juntar os ingredientes numa gamela e amassar bem.
Fazer os biscoitos e levar para assar em tabuleiros forrados com folhas de bananeira, em forno brando.



foto de Pacelli Ribeiro, do livro Quitandas de Minas, receitas de família e histórias

14 comentários:

  1. Rosaly,sou seguidora do blog e também sua vizinha, moro em Lafaiete. Adorei esta postagem da araruta. sinto muita saudade de quando minha mãe fazia este polvilho. você sabe se por aqui encontra araruta? um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Ola Cleusa, quando preciso, compro no Mercado Central em Bh... So la encontro com certa facilidade. Abraços,

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Rosaly, assim que for a BH, mercado central vai ser parada obrigatória.

    ResponderExcluir
  4. Oi Rosaly! Navegando aqui e ali achei teu blog, e olha só justamente falando sobre araruta, que na segunda feira sí à procura na minha cidade. Não tem, ninguém sabe, ninguém viu! Eu louca para fazer os biscoitinhos "Sabuguinhos", receita da minha vó também. Minha irmã mora em Pouso Alegre, sul de Minas e disse que por lá há dificuldade para achar, e quando acha, 500gr custam 8,00.

    ResponderExcluir
  5. Salvador, 21 de junho de 2012.


    A reportagem sobre a araruta foi bastante objetiva e na minha opinião foi espetacular.

    ResponderExcluir
  6. ANDREIA CALDEIRA15 julho, 2012

    lembro da minha infancia em santos,minha mãe fazendo biscoito de araruta com coco,todos bem redondinhos,meu trabalho era apertar as bolinhas com o garfo

    ResponderExcluir
  7. Fazê o porvio de araruta é facim por demais sô, ocê pranta a araruta que dá uma raíz feito mandioca, tira raíz,na época da colheita.

    ResponderExcluir
  8. Se ocêis quisé minha muié faz uns biscoito e manda procêis, tenho prantação de araruta.

    ResponderExcluir
  9. Queria tanto encontrar araruta mas aqui em Campinas SP está difícil!
    Meu avô plantava e agora não se vê mais.

    ResponderExcluir
  10. Olá Rosaly! Sou do interior de Santa Catarina e por aqui é muito comum encontrar araruta nos supermercados. Adorei sua receita pois, procurava uma assim, do tempo da vovó. Fiquei em dúvida quando você diz 1 xícara de gordura. Qual a gordura usada? Óleo de cozinha ou seria outra?

    ResponderExcluir
  11. Olá Luciene! Essa receita é bem antiga, foi recolhida no caderno da minha avó. Então essa 'gordura' ai, devia ser mesmo a famosa gordura de porco. Mas pode-se usar óleo. Que é o que veio substituir. Grande abraço,

    ResponderExcluir
  12. Ganhei umas mudas de araruta, venho multiplicando e este ano consegui fazer um pouco do polvilho! Agora, procurando receitas, achei este blog, vou testar...
    Se alguém quiser mudas (as raízes, no caso), poste aqui que conversamos e quem sabe envio pelo correio mesmo.

    ResponderExcluir
  13. Olá Lina, nossa, você conseguiu mudas de araruta! Acho que são raras. Quero sim. Preciso de saber seu e-mail (vc me mande seu e-mail que te passo a escrever sem publicação) e eu te passo meu endereço. Desde já agradeço demais!!! Fiquei feliz com a possível troca!

    ResponderExcluir

palpite, comente, deixe sua receita, conte sua história: